Que no te apuren

Apressarias a saída do Sol?

Essa é a pergunta da campanha “Tenemos Derecho”, da associação argentina Dando a Luz. Assim como o Sol tem seu tempo para nascer, mulheres e bebês têm seu próprio tempo e devem ser respeitados.

Trouxe esse video hoje depois que observei a trajetória de uma das minhas amigas que estava grávida.

Em seu chá de bebê com 36 semanas, estava muito em dúvida sobre o parto. Além do medo de sentir dor, sua médica não fazia parto normal, e por isso ela teria que procurar um novo médico na reta final caso não quisesse optar pela cesárea. E eu pergunto: que tipo de médico não faz parto normal? Fiquei chocada.

Enfim, me limitei a enviar para ela aquele trailer do Renascimento do Parto, na tentativa de mostrar algumas vantagens do parto normal. No dia ela agradeceu e disse que tinha ficado ainda mais confusa.

Algumas semanas depois, postou no Facebook (desnecessário comentar quão desnecessário é expor-se dessa forma nas redes sociais, certo?): “Confesso, sou menos forte do que pensei e a bebê nascerá de cesárea no dia tantos de janeiro.”

Bom, assim como quero ser respeitada em todas as minhas decisões, respeito a decisão de minha amiga. Acredito que cada mãe sabe o que é melhor pra si e, se ela não estava tranquila com o parto normal, ia ser ainda mais sofrido pra ela. Cada um sabe de seus limites, é dono de sua trajetória e responsável por suas próprias escolhas. Não julgo, apenas observo e extraio o que serve e o que não serve para mim.

Nessa história, dois fatos me surpreenderam:

Primeiro, o fato de que a médica incentivou o agendamento da cesárea pois a menina estava muito grande.

Depois, a bebê estava com nascimento previsto para o final de janeiro, e o parto foi agendado para 10 dias antes. Pra quê?

Concluindo: cinco dias após o parto, novamente no Facebook (!!!), a mãe comenta que estava triste pois o leite ainda não havia nascido. Mas não me espanta!

Anúncios

Sobre parto humanizado

Foi a Ligia quem me enviou o link deste video por e-mail. No dia que recebi o link, vi que o video tinha 27 minutos e pensei: “vou ter que separar um momento do dia especial pra ver, aqui no trabalho não vai rolar…”

Foi então que eu fiquei sozinha em casa e aproveitei para assistir. E quando vi, os 27 minutos pareceram que voaram. Ao final, eu queria mais e mais e fiquei emocionadíssima com o que vi, ouvi, senti e aprendi. E olha, recomendo a todo mundo que pretenda ter filhos, se interesse pela causa, queira agendar o parto, tenha parente gestante, ou esteja em dúvida.

Trata-se do DOC HANAMI, um documentário sobre parto humanizado, e a sua importância. Além das cenas emocionantes e sensacionais, o video conta com uma série de depoimentos que explicam o processo revolucionário por que os corpos de mãe e bebê (e por quê não dizer, pai) passam no momento do trabalho de parto.

O que mais me impressionou foi a fala do obstetra francês Michel Odent sobre a ocitocina (natural), que ele chama de hormônio do amor.

Recomendo. Assistam!

E para saber mais sobre o trabalho do Espaço Hanami, aqui.

DOC HANAMI_ português from priscila guedes on Vimeo.

“Madre De Muchos” por Emma Lazenby

Curta de animação em homenagem às doulas, dirigido por Ema Lazenby, que é filha de uma doula. O filme foi vencedor do prêmio Bafta (British Academy of Film and Television Arts) de melhor curta de animação em 2010.
Achei interessante como ele vai mostrando o ritmo do bebê dentro da barriga, em direção ao parto. Mas a situação das mães é um pouquinho (zinho) assustadora, né?

O Renascimento do Parto

Vi esse vídeo lá no Diário de uma mãe Polvo e faço questão de compartilhar por aqui. É o trailer de um documentário que será lançado em março de 2012. Um filme de Érica de Paula e Eduardo Chauvet, com a participação especial do cientista Michel Odent, do ator e diretor de cinema Márcio Garcia e sua esposa, a nutricionista Andréa Santa Rosa.

O único requisito que vou buscar quando for escolher meu obstetra será a garantia de que ele vai fazer o possível para que meu bebê nasça de parto normal.