Sobre brinquedos para menininhas

Não é de hoje que me incomoda o fato de que praticamente todos os brinquedos infantis são feitos só para meninos ou só para meninas – estes últimos, invariavelmente rosa-choque. Tenho quatro sobrinhos, sendo que o mais velho nasceu há 16 anos e a mais nova, há dois. E percebi, ao longo destes anos, uma gritante evolução do sexismo entre os brinquedos.

FIca mais claro quando olhamos para os brinquedos para meninas. Aqueles jogos, quebra-cabeças, bonecos e aparatos tão legais quando presenteávamos os meninos, agora só encontramos na versão heróis ou princesas. Nada de brinquedos em cores primárias ou neutras. Eles são diretamente relacionados a marcas ou personagens.

Nos Estados Unidos, um grupo se uniu e criou a petição LEGO Friends Petition: Parents, Women And Girls Ask Toy Companies To Stop Gender-Based Marketing (Petição LEGO Friends: Pais, Mulheres e Meninas pedem às empresas que parem com o marketing baseado em gêneros). O movimento surgiu após a LEGO lançar, em dezembro, uma linha de brinquedos direcionada para meninas, com o nome LEGO Friends. Nela, as peças são predominantemente rosa e tons pastéis, e relacionadas a casa, maquiagem e festas. O grupo argumenta que não há necessidade desse tipo de produtos enquanto os brinquedos da LEGO são atraentes para meninas por si só. Acontece que havia anos a companhia vinha direcionando seu marketing aos meninos, com navios pirata, naves espaciais e monstros em geral e sentiu a perda do interesse das meninas ao longo dos anos. A solução foi criar kits mais “femininos” chamados LEGO Friends.

Recentemente a pequena Rylei Maida, com apenas 4 anos, expressou a indignação com esta separação clara entre produtos femininos e masculino nas lojas de brinquedo: “Por quê as meninas têm que ter coisas rosas, e os meninos podem ter brinquedos de todas as outras cores?”. A revolta da pequena traduz a mobilização gerada entre os pais um pouco mais conscientes:

O que os pais querem é que as marcas voltem a produzir brinquedos mais unissex, sem limitar meninos e meninas a um pequeno quadrado de possibilidades. O site The Huffingtonpost produziu um video rebatendo a campanha da LEGO que mostra que as meninas podem, sim, se divertir com as pecinhas da LEGO sem que necessariamente sejam rosas e tons pastéis. Desta forma, conseguem criar o que quiserem, desenvolvendo capacidades motoras, criativas, espaciais e matemáticas.

Por fim, o site lista ainda imagens que mostram como os brinquedos clássicos de nossa infância sofreram alterações rumo a detalhes mais femininos e menos infantis:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: HuffingtonPost

Criança, a alma do negócio

Sinopse: “Por que meu filho sempre me pede um brinquedo novo? Por que minha filha quer mais uma boneca se ela já tem uma caixa cheia de bonecas? Por que meu filho acha que precisa de mais um tênis? Por que eu comprei maquiagem para minha filha se ela só tem cinco anos? Por que meu filho sofre tanto se ele não tem o último modelo de um celular? Por que eu não consigo dizer não? Ele pede, eu compro e mesmo assim meu filho sempre quer mais. De onde vem este desejo constante de consumo?” Este documentário reflete sobre estas questões e mostra como no Brasil a criança se tornou a alma do negócio para a publicidade. A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto, então, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas. O resultado disso é devastador: crianças que, aos cinco anos, já vão à escola totalmente maquiadas e deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos; que sabem as marcas de todos os celulares mas não sabem o que é uma minhoca; que reconhecem as marcas de todos os salgadinhos mas não sabem os nomes de frutas e legumes. Num jogo desigual e desumano, os anunciantes ficam com o lucro enquanto as crianças arcam com o prejuízo de sua infância encurtada. Contundente, ousado e real, este documentário escancara a perplexidade deste cenário, convidando você a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro da infância.

Instituto Alana: http://www.alana.org.br/

Aqui, a versão completa.