Parto, amamentação, carreira, berço e uma bela revisão de conceitos sobre tudo isso

Desde quando decidimos ter nosso bebê, e entrei de cabeça nos assuntos da maternidade, tenho construído e desconstruído uma série de conceitos que na minha cabeça sempre foram os mais absolutos. Não havia dúvidas para mim de que aquilo era o natural, o aceitado, o decididamente correto. Daí que comecei a ler mais, e fui percebendo algumas coisas novas e abrindo a mente para muitas outras.

Por exemplo:

1. Parto

“Parto é natural. Um fenômeno assim como qualquer outro de nosso organismo. Só faz cesariana quem tem algum tipo de problema durante a gestação ou na hora do parto”. Isso era o que eu pensava até uns meses atrás. Na minha família, só as gravidezes de risco terminaram em cesárea, como uma tia que teve eclâmpsia, uma prima que estava com cordão enrolado no pescoço, a mesma tia da eclâmpsia que tinha uma bebê com má formação, e minha irmã, que teve pré-eclâmpsia e na reta final o médico deve de convencê-la e consolá-la que a cesária era a melhor decisão naquele momento. Por isso, sempre foi muito claro na minha cabeça que o parto normal era sempre a primeira via, que podia encaminhar para uma cesária caso algo desse errado. E hoje percebo que é o contrário. A mulher precisa garantir o seu parto normal. Precisa fazer as escolhas certas desde o início (o médico, o local do nascimento) para se certificar de que se seu desejo será acatado. Descobri que a linha do parto normal é muito fina e frágil, que pode ser arrebentada a qualquer momento sob o golpe baixo pretexto de se evitar o sofrimento do bebê. Uma vez descoberto isso, me resta procurar as escolhas certas para garantir um parto normal como sempre acreditei.

2. Amamentação

“O bebê tem que mamar de 3 em 3 horas, para que se crie uma rotina. A amamentação deve ser até 1 ano no máximo. Depois disso, não há vantagem pra ele e pelo contrário, pode ficar dependente demais da mãe”. Taí outra coisa sobre a qual aprendi muito nesses últimos meses: amamentação. Primeiro, descubro que tem mães que simplesmente não amamentam, e ainda defendem uma tal de fórmula, que só de ser industrializada me dá um certo receio. Felizmente, são poucos os casos como esse, mas só de existirem me causou certo espanto. Mas aí depois, li textos como “Por que a livre demanda é importante?” e descubro que o organismo do bebê e é ainda mais sensacional do que eu imaginava. Que além de crescer e se desenvolver de uma maneira extraordinária nos primeiros meses de vida, ele tem a capacidade de dosar a mamada e extrair somente o necessário de uma mamada e de outra, controlando assim os nutrientes que recebe. Não é sensacional? Quer dizer, quem amamenta te 3 em 3 horas es´ta privando seu filho disso tudo. E então vem o terceiro “conceito”: amamentar depois de 1 ano, é desnecessário? E descubro que não, que o desmame deve acontecer naturalmente, quando a mãe e o bebê, juntos, percebem que ele não é mais necessário. Isso pode acontecer aos 12 meses, mas também aos 18, 24 e por que não 36 meses? E isso pode contribuir para bebês mais saudáveis, claro, mas também mais seguros e independentes.

3. Maternidade x Carreira

“Uma mulher precisa ter um emprego, não pode ficar em casa somente cuidando dos filhos”. Sempre valorizei muito minha carreira. Cada escolha feita foi muito bem pensada, sempre com um olho na decisão aqui, e outro no impacto para o futuro. Estudar, me formar, encontrar bons empregos, crescer neles, fazer pós-graduação e cursos de aperfeiçoamento. Tudo para garantir uma excelente posição no mercado de trabalho e aí, então, poder ter tranquilamente meus filhos. Tê-los, e voltar para o trabalho, deixando-os na melhor escola da região. Este é um conceito que está sendo reconstruído aos poucos. À medida que vejo casos de mulheres que optam por ficar em casa. Que têm a oportunidade de estar junto de seus filhos e viver cada fase de sua vida, que é única, junto a eles. Muitas dessas mulheres têm conseguido manter uma carreira paralelamente. Não aquela que desenhamos quando estamos na faculdade, e provavelmente não aquela que nossos pais sonharam para nós. Mas carreiras que permitem estar junto com seus filhos e ao mesmo tempo conquistar diversas coisas profissionalmente. E estes casos têm cada vez mais aberto minha mente.

4. Berço

“O bebê tem que se acostumar desde cedo onde é o seu quarto, senão vai querer dormir para sempre com seus pais”. Uma coisa sempre ficou muito clara na minha mente: cada um tem seu quarto. Lembro como se fosse hoje as brigas que minha irmã tinha com o marido e o filho de 2 anos que chorava desconsoladamente na porta do quarto dos pais porque queria dormir com eles. E eu achava certo: ele tem que dormir na cama dele. E então esse novo termo entrou na minha vida nos últimos meses, sobre o qual tinha total desconhecimento: a tal da cama compartilhada. E descubro que é muito saudável, sim, colocar o bebê para dormir junto dos pais, afinal, até pouco tempo atrás ele dormia juntinho da mãe, por que separá-lo assim bruscamente? Então encontro textos como “A criação com apego e a neurociência” e descubro que a cama compartilhada vai muito além da carência de um filho ou de uma mãe.  Reflito muito sobre isso, e sobre onde vai parar a privacidade dos pais. Mas aí percebo que não há fórmulas, e podem se encontrar soluções para tudo. Eu encontrarei as minhas formas de lidar com isso.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Parto, amamentação, carreira, berço e uma bela revisão de conceitos sobre tudo isso

  1. OI De,
    adorei o texto. Eu acabei fazendo duas cesáreas porque na primeira tive uma pré-eclâmpsia e na segunda após 7 horas de trabalho de parto eu não tinha dilatação e o útero estava alto. Concordo que temos que assegurar que a nossa escolha pelo parto natural seja respeitada. Uma dica é ficar atenta no consultório do médico, aproveitar a conversa durante a espera pela consulta e ver quantas mulheres tiveram parto natural com ele. O meu obstreta é do tipo parteiro, não marca cesárea. E as minhas cesárias foram o mais humanizadas possível, com música, o mínimo de luz necessário para o médico enxergar, sem dar tapinha na bundinha do neném, o pai que corou o cordão umbilical, elas foram direto para o meu peito e mamaram na sala de parto, foram levadas ao berçário pelo pai e somente para medir, pesar e colocar a pulseirinha, o primeiro banho foi no quarto e dado pelo pai, etc… O mais importante para mim foi não ficar frustrada por não ter conseguido ter uma parto normal, saber que eu fiz o neu nelhor e não cair nas cobranças externas. Já quanto a livre demanda na amamentação, comigo foi assim. Sou molenga, não ia conseguir não dar o peito para as minhas filhas assim que elas demonstravam que queriam. E a cama também. Comecei com elas no berço mas depois fiquei muito cansada com esse levanta e deita e já as colcoava na cama comigo, assim mamavam sem eu precisar levantar (segredinho: nunca coloquei para arrotar a noite, as virava de lado, com a cabecinha um pouco alta e pronto). Bom, a intimidade do casal foi parar na sala por algum tempo. kkkk

    Muito obrigada pelo comentário no MMqD. É verdade, temos que ter em mente o quão valioso é o nosso tempo e aproveitá-lo de forma mais produtiva possível.

    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    • Oi Chris, obrigada pelo comentário!
      É muito legal ver que algumas mulheres vão tomando suas decisões de acordo com o que parece melhor para si e seus filhos… sem culpa, sem se importar com as “convenções”! Mais legal ainda é conhecer essas mulheres e estar mais segura quando eu for tomar as minhas decisões!
      Beijos!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s