Dia das Crianças e como encontrar presentes

Criança, a alma do negócio

Todos os anos, desde pelo menos a década de 80, somos invadidos por uma enxurrada de comerciais incentivando o consumo e o “querer mais” nas crianças. Isso pelo menos três vezes ao ano: Natal, Dia das Crianças e Páscoa. E tem ainda o aniversário, que como as marcas não conseguem ainda adivinhar quem está fazendo aniversário, e quando, seguem suas propagandas apelativas fazendo pressão para que a criança “queira” ter isso, aquilo e aquilo outro.

Por isso, quando eu virei madrinha, em 2007, decidi que no Dia das Crianças daria presentes mais educativos ou culturais para minha afilhada. E neste ano não vai ser diferente. Não gosto desse apelo comercial do Dia das Crianças, e não quero que minha afilhada, sobrinhos e futuros filhos esperem de mim presentes megalomaníacos nesse dia – para isso, eles terão sempre o próprio aniversário.

Tudo isso porque ontem saí para comprar um presente de Dia das Crianças para minhas sobrinhas, que têm 4 (afilhada) e quase 2 anos. A que tem quase 2 vai fazer aniversário em outubro, então aproveitei para comprar algo para ela também. Ao todo, foram 3 presentes. Passei quase 1 hora dentro de uma rede de Livrarias procurando livros educativos, interessantes e com um preço interessante. Nada me convenceu. Segui meu passeio no shopping até que me deparei com um quiosque de uma livraria educativa. Qual não foi minha surpresa! Encontrei exatamente o que eu procurava e, melhor, num preço que eu pretendia gastar.

Para a maior, comprei um livro de atividades que ao final tem um monte de adesivos para serem utilizados nas atividades. Para a menor comprei um livrinho de historinha em que os olhinhos da personagem funcionam como “dedoches”. Depois, fui a uma famosa loja de brinquedos e comprei para a aniversariante um boneco daqueles com botões, zíperes e bolsos que ensinam a criança movimentos básicos do ato de se vestir.

Vou listar aqui algumas considerações que fiz ao buscar os presentes para elas:

2 anos

  • Evitar peças pequenas: afinal, ninguém quer saber depois de encontrar no Raio-X um sapatinhod e boneca no meio do peito da criança
  • Estimular os sentidos: com texturas diferentes, muitas cores vivas (de preferência azul, amarelo e vermelho)
  • Não estimular vaidade:  esse apelo elas começam naturalmente a ter a partir dos 3 anos, não precisamos antecipar as etapas
  • Evitar personagens: isso é uma questão pessoal minha, não gosto de ver minhas sobrinhas fazendo propaganda para nenhuma marca ou personagem específica. Por isso, enquanto têm essa idade, acho que para elas não faz diferença se é da barbie, da suzi, ou uma outra boneca super bacana de uma marca menos conhecida (mas com propostas educativas legais)
  • Estimular a interatividade: nessa idade, elas aprendem cada vez mais a interagir com outras crianças e adultos
  • Procurar brinquedos adequados à idade: esta foi uma das minhas maiores dificuldades, pois muitos brinquedos não têm essa informação. E, quando têm, são indicados para bebês (3, 6, 12 e 18 meses), ou para maiores de 3 anos.

4 anos

  • Estimular a alfabetização: essa fase elas começam a descobrir as letras, queres desenhá-las e encontrá-las nas palavras
  • Evitar a vaidade excessiva: produtos de beleza, somente aqueles mais lúdicos, relacionados ao mundo das fadas e princesas (que elas tanto amam nessa fase)
  • Personagens: procurar brinquedos educativos relacionado aos personagens (quando elas tiverem uma preferência muito forte).
  • Incentivar a criatividade: nessa fase, elas começam a desenhar com mais facilidade, com traços cada vez mais definidos. Brinquedos com tinta, massa, peças de encaixe…
  • Eletrônicos I: mini laptops, bebês que andam e falam, bonecos que dançam, instrumentos musicais a pilha; evito esses brinquedos que não servem para nada quando não têm bateria. Não tem presente de grego maior que esses que obrigam os pais a uma manutenção constante.
  • Eletrônicos II: As crianças têm uma imaginação muito fértil, não precisam que os brinquedos façam as coisas por elas. Existem brinquedos não eletrônicos fantásticos que levam as crianças às mais variadas fantasias, sem precisar de luzes, sons e movimentos escalafobéticos.
Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s